4.ºFestival Lá Fora 2017 arranca em Évora a partir de 15 de junho

Três dias de música, dança e atividades para toda a família é o que propõe a 4ª edição do Festival Lá Fora que, entre 15 e 17 de junho, decorre em Évora. Organizado pela Fundação Eugénio de Almeida, com direção artística de Rui Horta, este é já um festival que marca a agenda cultural de Évora e dos eborenses.

DEAD COMBO LIVE CONCERT IN PAREDES DE COURA FESTIVALCom David Santos a abrir o festival e as sonoridades de Cais Sodré Funk Connection a fechar o cartaz, na 4ª edição do Festival Lá Fora tocam também os Dead Combo, que atuam na noite de 17 de junho.

O Festival Lá Fora nasceu do desejo de dar vida e de convidar à fruição de alguns dos espaços mais emblemáticos da cidade de Évora, tais como o Páteo de São Miguel e o Fórum Eugénio de Almeida, antigo Palácio da Inquisição, animando-os com um festival de artes performativas desafiador e inovador, dedicado ao público de todas as idades.

David Santos abre o cartaz 2017, às 21h30, no Páteo de São Miguel. David Santos é um dos nomes incontornáveis da música NOISERVportuguesa atual. O seu talento é único, e a sua voz inesquecível, revelando uma forma diferente de fazer música em Portugal. O sucesso do seu projeto “Noiserv” – reservado para sexta-feira, às 18h45, repousa num conjunto inesperado e “inventado” de instrumentos e uma enorme dose de criatividade.

Marco Ferreira é uma estrela da dança e hoje um dos mais notáveis talentos coreográficos em Portugal, já com uma intensa presença nos circuitos internacionais. Revelado na 1ª edição do programa “Achas que sabes dançar”, tem presença marcada no dia 16 de junho às 21h30.

A noite de sexta-feira fecha com os Melech Mechaya. Melech Mechaya é o nome de um quinteto português de música klezmer, tradicionalmente judaica, com inspirações nas músicas cigana, árabe e dos balcãs. Três anos depois do “Gente Estranha” atingir o 3º lugar no top iTunes de Músicas do Mundo (17º no top geral), o novo disco “Aurora” entrou para o 3º lugar do top geral e 1º lugar do top de Músicas do Mundo no iTunes. Uma atuação que promete fazer vibrar e dançar a audiência.

No terceiro dia, o Festival Lá Fora apresenta um programa para toda a família. Com espetáculos marcados para as 11h30 e as 17h30, Catarina Moura e Pedro Madeira têm preparado um espetáculo que envolve miúdos e graúdos. Um espetáculo simples, belo, feito de músicas, de histórias e muitas surpresas.

A programação do dia 17 de junho prossegue com a Conversa com Margarida Lagarto, uma artista que vive e trabalha em Évora há mais de 30 anos. O Fórum Eugénio de Almeida inaugurou recentemente a exposição da sua autoria “A Luz das Sombras”. A conversa desenvolve-se, claro, à volta do silêncio das sombras, da experiência do tempo e da vivência da natureza.

Filipe CaldeiraAo final da tarde, Filipe Caldeira e Catarina Gonçalves apresentam uma performance original em diálogo com a magnífica obra Casa Animal, do coletivo Musa Paradisíaca, que se desenrolará no pátio frontal ao Fórum EA. Dois performers de grande qualidade e sensibilidade num registo intimo e informal.

Ao pôr-do-sol, nos jardins do Páteo de São Miguel, somos surpreendidos pela suavidade da voz de Emmy Curl. Nascida em Trás-os-Montes em 1990, Emmy Curl interpela-nos com a sua sonoridade. As suas canções apelam ao mais transcendente e etéreo do Dream Pop.

Os Dead Combo são outra das bandas convidadas para o Festival Lá Fora 2017. A banda formada por um alto contrabaixista e um guitarrista de cartola – Pedro Gonçalves e Tó Trips – que atua às 21h30, tornou-se parte imprescindível da história musical portuguesa da última década. Relembre-se que os Dead Combo foram um dos cinco artistas da campanha EA, A Inspiração bebe-se.

A encerrar a 4ª edição do Lá Fora atuam os Cais Sodré Funk Connection. Nascidos no coração do bairro boémio que lhes dá ocais sodre Funk Connection nome, em Lisboa, os Cais Sodré Funk Connection são apaixonados pelo funk e a soul. A experiência deste grupo de veteranos da música portuguesa, que no seu conjunto reúne elementos dos Cool Hipnoise, Orelha Negra, Mr Lizard, Cacique 97, banda de Sergio Godinho, entre outros, garante a sabedoria necessária à produção do mais contagiante groove. Sem hipótese de não dançar!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *