Munique, uma excelente escapadinha

Munique é definitivamente uma cidade feliz, cheias de lugares comuns que se cruzam com a inovação e tecnologia dos seus BMWs. É recheada de edifícios históricos e culturais, amplas praças e igrejas para todosBMW os gostos e as pessoas parecem de uma forma geral felizes, hospitaleiras e cheias de energia. Apesar de Munique ter sido quase totalmente destruída na II Guerra Mundial renasceu cheia de força e esplendor, orgulhosa de ter sabido sobreviver.

Munique - Altes RathausO coração da cidade bate no seu centro histórico, na famosa e movimentada Marienplatz. É aqui que tudo acontece, acompanhado pelo som majestoso e imperial do carrilhão da Neues Rathaus (Nova Câmara Municipal). Todos os dias pelas 11h, 12h e 17h tudo para a ouvir as badaladas e admirar a dança das figurinhas que decoram este relógio histórico que ornamenta, a fachada deste edifício neogótico que domina toda a praça. Do outro lado da praça, menos imponente e atualmente com menor protagonismo, encontra-se a Altes Rathaus, a antiga câmara municipal construída no século XV e que alberga atualmente o Museu dos Brinquedos.

Por esta Praça cruzam-se as principais artérias pedonais, que convidam a um passeio, umas compras ou uma tarde animada num dos inúmeros cafés e esplanadas. Estas ruas são o melhor postal da cidade e o truque é deixarmo-nos seguir com a corrente de pessoas, deslizando por aqui e por ali conforme algum pormenor nos for captando a atenção.

Munique - Theatinerkirche

Outra das características de Munique são as suas igrejas, espalhadas um pouco por todo o lado, no centro histórico. Cada uma tem a sua personalidade e características únicas e representam uma época ou período histórico da cidade. As mais emblemáticas são Peterskirche, a Frauenkirche, a Asamkirche e a Theatinerkirche.

Para almoçar, lanchar ou apenas provar a cerveja local, um dos locais mais típicos é o Viktualienmarkt, localizado mesmo atrás da Altes Rathaus. Este mercado é uma verdadeira tentação, misturando e combinando de uma forma única o lado mais tradicional de um mercado, com bancas de fruta, peixe, carne, e o lado mais típico da cidade, os seus Jardins da Cerveja, onde se pode beber a famosa caneca acompanhada de um pretzel gigante ou da bratwurst (salsicha). Cores, cheiros, sabores, risos e gargalhadas misturam-se por aqui fazendo deste, um dos locais mais concorridos da cidade.

Munique - Viktualienmarkt

Outro local de passagem indispensável é a Am Platz, uma pequena praça com uma enorme personalidade e bom humor conseguidas à conta do mais famoso pub de Munique, o Hofbräuhaus, sempre ao rubro e onde a cerveja corre livre e solta.

Munique convida-nos a caminhar aleatoriamente pelas ruas do seu centro histórico passando por diversas praças, a Promenade, Salvator ou a Odeon, onde se localiza o imponente Residenz (Casa real da Baviera) e o calmo e verdejante Hofgarten. Não esquecendo a Maximilianstrasse onde moram as grandes marcas da alta-costura.

Munique - Bairro Museus

Mais afastados do centro da cidade existem outros locais merecedores de uma visita, como a Universidade Ludwig-Maximilians, a Seigestor (Porta da Vitória), inspirada no Arco do Triunfo romano, a Ludwigskirche, uma igreja de estilo italiano romântico que alberga o segundo maior fresco do mundo, a Biblioteca Bayerische Saatsbibliothek, a segunda maior da Alemanha com mais de seis milhões de volumes, o imponente Königsplatz e o Bairro Museus, composto por três importantes museus – Alte e Neue Pinakothek e o Pinakothek der Moderne.

Munique - Englischer GartenNa direção oposta o Englischer Garten, o maior parque urbano alemão com mais de 370 hectares de verde e lagos é o local ideal para quem procura diversão. O parque oferece inúmeras possibilidades de entretenimento, desde os famosos jardins da cerveja, a passeios, jogging, picnics, passeios de barco e até (uma espécie de) surf feito nas águas geladas de um pequeno ribeiro rochoso que por ali corre.

As margens do rio Isar são outro ponto de interesse que merecem uma visita, desde o Deutsches Museum, o maior museu de tecnologia do mundo (que para conhecer melhor recomendo tirar um dia inteiro), a Müller’sches Volksbad, um salão de banhos / piscina pública “chique” do século XIX que inclui banhos terapêuticos e sauna e o edifício do Parlamento bávaro, o Maximilianeum.

Mais afastado ainda do centro da cidade, o Olympiapark, o complexo olímpico de Munique, palco das Munique - OlympiaparkOlimpíadas de 1972 e o mais espetacular concessionário da BMW do mundo, convidam para uma visita. Há quem prefira o Museu que acompanha os 90 anos de história da famosa marca alemã, mas o concessionário é um ponto obrigatório de passagem, com os diferentes modelos expostos e a sua própria pista para test drive.

Munique - Allianz ArenaPara os aficionados do futebol, ou para aqueles que apenas apreciam uma obra de arte da arquitetura, recomendo entrar na estação de comboio mais próxima e ir visitar a famosa e espetacular Allianz Arena, o original estádio construído para o Mundial de Futebol de 2006 e que é agora a casa do mais importante clube alemão, o Bayern.

Day trip a partir de Munique: os castelos reais

Dois castelos de contos de fadas perdidos nas montanhas bávaras – Hohenschwangau e Neuschwanstein, a cerca de duas horas de comboio de Munique.

O Hohenschwangau é mais modesto. Foi aqui que o Rei Ludwig II passou a sua infância e se apaixonou pela paisagem bucólica desta zona da Baviera. Foi também deste castelo amarelo que, através de um binóculo instalado nos seus aposentos, controlou a construção do Neuschwanstein.

O castelo de Neuschwanstein deve parte da sua fama ao facto de ter servido de inspiração para o Castelo da Bela Adormecida da Disney. As suas torres brancas erguem-se acima da vila e no meio da montanha, em direção às nuvens, criando um cenário digno de um conto de fadas, que terá certamente inspirado Walt Disney. O Castelo foi mandado construir pelo visionário (louco é a expressão mais utilizada por estes lados) rei Ludwig II, já em pleno século XIX, como casa de férias da família real. Entre as diversas curiosidades deste Castelo destacam-se as inovações “modernas” (muito avançadas para a época) como a instalação de luz elétrica, de elevador, água corrente, espetos automáticos na cozinha, descargas automáticas na casa de banho, intercomunicador para chamar os empregados e ligação telefónica entre os pisos do castelo. Este castelo de cavaleiros presta ainda uma homenagem as óperas de Wagner, através do seu aspeto e decoração, quer também através da construção de uma gruta no interior do espaço (cenário de uma das operas do compositor), com luzes coloridas (também altamente tecnológico para a época) e uma pequena cascata.

Antes de visitar os castelos…

– a viagem pode ser feita a partir de Munique, são cerca de duas horas de comboio até Füssen, seguidas de cerca de 10 minutos num autocarro que se apanha à porta da estação e para muito próximo das bilheteiras;

– os bilhetes de comboio podem ser comprados nas estação ou no site da DB Bahn;

– muito importante para poupar tempo e evitar as filas é reservar os bilhetes antecipadamente no site dos castelos. E se à partida a taxa de reserva parece exagerada, 3,60 por pessoa, no local, a fila quilométrica confirma que o investimento é altamente compensador;

– as distâncias para o castelo de Hohenschwangau são simpáticas e a subida, pelas escadas ou pela rampa são justificadas pelas vistas;

– para Neuschwanstein a subida de charrete é uma delicia, são 6€ por pessoa, e a descida a pé, se tiverem pernas para cerca de 20 minutos de caminhada, ou de autocarro (1€ por pessoa);

– melhor spot para fotos é a ponte Marien onde se tem uma vista privilegiada do castelo em todo o seu esplendor.

 

Guia Prático

Como ir: existem várias companhias aéreas com voos diretos diários para Munique. Caso estejam em périplo pela Alemanha têm também alguns voos internos a preços interessantes ou o comboio.

Quando ir: na primavera é a melhor altura, menos frio e menos gente, mas a época mais intensa é sem duvida em setembro, por altura da Oktoberfest, uma das maiores festas de cerveja do mundo. Este ano terá lugar de 16 de setembro a 3 de outubro, para quem ainda quiser aproveitar.

Como se deslocar: essencialmente a pé, sobretudo no centro histórico. Para o Olympiapark e Allianz Arena o comboio é a melhor opção.

Onde e o que comer: A comida por é toda excelente e apesar de não ser muito variada, ou na verdade sabe tudo um pouco ao mesmo. Recomendo experimentar Pfannkuchensuppe, uma sopa com tiras de panquecas, o Schweinsbraten um assado de porco e claro, a Bratwurst, a típica salsicha alemã, se bem que eles têm muitas variedades diferentes de salsichas. O pretzel, normalmente tamanho XL, acompanha bem qualquer cerveja. Para comer (e sobretudo beber) é obrigatória a passagem pelo Hofbräuhaus, um dos mais típicos bares bávaros e a mais famosa cervejaria do mundo, onde a festa é uma constante, garantida por uma animada banda local. A cervejaria Augustinerbräu também pode ser uma boa opção, a comida é boa e está situada num magnífico edifício histórico e a sua decoração é espetacular.

 

Duas ou três palavras:

Olá!  – Hallo!

Tchau! – Tschüss! (informal)

Adeus! – Auf Wiedersehen!

Sim – Ja

Não – nein

Obrigado(a)! – Danke!

Desculpe – Entschuldigung

 

Por Sónia Dias

Blog de Viagens | Travel Random Notes 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *