“Topografias Imaginárias” traz cinema ao ar livre em setembro

O ciclo de visionamento comentado “Topografias Imaginárias” – organizado pelo Arquivo Municipal de Lisboa – Videoteca e, nesta quarta edição, integrado no Passado e Presente – Lisboa, Capital Ibero-Americana de Cultura 2017 e com sessões de cinema ao ar livre – realiza-se nos primeiros dois fins-de-semana de setembro (dias 1, 2, 3, 8, 9 e 10), num percurso de seis paragens em locais menos óbvios da cidade de Lisboa, onde serão exibidos 11 filmes, com entrada livre e transporte gratuito.

Sob o lema Lisboa, cidade do Sul, descobrem-se os modos pelos quais o cinema reinventa Lisboa. Cada sessão é uma experiência de visionamento comentado, um exercício de visão e uma revisão de filmes na relação com a cidade, um trabalho sobre o olhar cinematográfico como agente transformador.

Cada sessão de cinema ao ar livre é antecedida por um visionamento comentado. Guiados pelos realizadores dos filmes, nomeadamente José Filipe Costa, Salomé Lamas e Dominga Sottomayor, entre outros, mas também por investigadores, críticos ou historiadores (como Eduardo Victorio Morettin, João Mário Grilo, Tiago Baptista, Olivier Hadouchi, Maria do Carmo Piçarra, Fernando Rosas, Anabela Moutinho, Raquel Henriques da Silva, António Preto, Luísa Veloso, Ana Alcântara, António Roma Torres, Álvaro Domingues, Teresa Castro ou André Cepeda, entre outros), são vistos e revistos excertos dos filmes projetados, percebendo assim que o olhar é um agente transformador. Estas sessões de visionamento comentado são a preparação da viagem onde é possível imaginar e mapear o Sul que será depois explorado nas sessões de cinema ao ar livre.

Os filmes que fazem parte do programa são de épocas e latitudes muito diferentes, são uma troca de olhares entre a América do Sul e Lisboa que, em contacto com os espaços de projeção, criam uma outra cidade que só pode existir através do cinema.

Estas viagens passam pela exibição de filmes em locais como a Ponte Vasco da Gama, o Museu da Carris, a Quinta do Alto, em Alvalade, o Vale Fundão, em Marvila, o Miradouro de Santo Amaro e o Teatro de Carnide.

Fazem parte do programa “O Descobrimento do Brasil”, de Humberto Mauro, “O Caso J.”, de José Filipe Costa, “Milagre na Terra Morena”, de Santiago Álvarez, “Outro País”, de Sérgio Tréfaut, “Zéfiro”, de José Álvaro de Morais, “La Ilusión viaja em tranvía”, de Luís Buñuel, “Los barcos”, de Dominga Sottomayor, “Fuera de quadro”, de Márcio Laranjeira, “Mauro em Caiena”, de Leonardo Mouramateus, “Où est la jungle?”, de Iván Castiñeras Gallego e “El Dorado XXI”, de Salomé Lamas.

A programação completa e mais informações podem ser consultadas em http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/pt/noticias/topografias-imaginarias-lisboa-cidade-do-sul e https://www.facebook.com/topografias.imaginarias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *