CCB com cinema ao ar livre

Este verão, a Praça CCB, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, volta a acolher uma instalação arquitetónica: Uma Praça no Verão, da autoria do atelier Promontorio, em parceria com a Amorim Isolamentos. Este espaço converte-se também numa sala de cinema ao ar livre, que acolhe um ciclo temático dedicado ao Maio de 68. Esta sexta-feira, dia 3 de agosto, às 21h30, será exibido o filme “Nascidos em 68” (2008), da dupla francesa Olivier Ducastel & Jacques Martineau. A entrada é livre.
Em 1968, os estudantes Catherine, Yves e Hervé têm 20 anos de idade. A revolução de Maio altera por completo as suas vidas. O desejo de liberdade e os objetivos de cada um leva o grupo a fazer escolhas que acabam por separá-los. Em 1989, os filhos de Catherine e Yves são jovens adultos e confrontam-se com um mundo que mudou profundamente: com o fim do comunismo e das utopias, a herança de luta da geração que os precedeu deve ser resgatada.
O filme será projetado em formato DVD, sem legendas em português.

A 10 agosto, também pelas 21h30, será a vez de “The Architecture Of Frank Lloyd Wright”  (1983), de 74 minutos. Uma investigação abrangente em torno da vida e obra de Frank Lloyd Wright, desde os anos de aprendizagem com Louis Sullivan em Chicago aos seus últimos dias em Taliesin, Wisconsin. O filme inclui sequências em que o arquiteto reflete sobre o seu próprio trabalho e os princípios que o orientaram, combinando uma fotografia inspirada com a utilização imaginativa de pormenores de época para mostrar os edifícios que ainda hoje continuam a suscitar admiração. O narrador é Anne Baxter, neta do arquiteto.

Para 24 agosto, às 21h30, está marcado o filme “Sir John Soane: An English Architect, An American Legacy” (2005), de 62 minutos. Toda a grande arte dialoga com o passado. A arquitetura não é exceção como mostra este filme na sua pesquisa do legado de Sir John Soane (1753-1837), arquiteto inglês de raro génio, que teve uma profunda influência numa geração de arquitetos americanos. Este filme debruça-se sobre a influência da antiguidade no trabalho de Sir John Soane, acompanhando a sua viagem a Roma e à Sicília, e os modos como a sua formação clássica contribuiu para libertar os arquitetos americanos das conceções do Modernismo. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *