O início: da pedra à arte

O início foi a pedra. Daí nós dizermos muitas vezes no princípio foi a pedra, não foi o verbo, no grupo dst.

 

José Teixeira, presidente do grupo dst em entrevista ao programa Imagens de Marca

 

Dez anos separam o primeiro Simpósio artístico organizado pelo dstgroup “Arte na Cidade” e o que arranca na próxima segunda-feira: ARTE&SUSTENTABILIDADE. Hoje é a zet gallery que torna a incomum união entre arte, sustentabilidade e economia circular possível. Pensaremos, criaremos e discutiremos o futuro.

A crença no nosso mote, “Be a Collector”, mantém-se: o elogio ao colecionismo é transversal às experiências vivenciadas e não se limita a bens materiais, mesmo que esses bens sejam tão únicos e nossos como as obras de arte. Com o dstgroup, posicionamos a zet gallery na construção de práticas não só particulares como universais que, verdadeiramente, cooperem para a visão sustentável que antevemos.

Os artistas portugueses Ana Almeida Pinto (1984), Hernâni Reis Baptista (1986), Miguel Neves Oliveira (1980) e Rute Rosas (1972) irão materializar esta utopia, criando ao vivo e em pleno centro histórico, obras de arte a partir de resíduos industriais. Os artistas Luís Canário Rocha (1986) e Ricardo de Campos (1977) dedicar-se-ão a projetos de tutorias pedagógicas em três escolas e no Estabelecimento Prisional de Braga.

Ao terceiro dia de trabalhos questionaremos a função da arte contemporânea na era da inevitável economia circular. Para além das vozes que representam o Executivo Municipal local e a respetiva oposição, porque procuramos sempre o contraditório, atraímos visões exteriores e especializadas em diversas temáticas: Ana Brito, coordenadora artística da Artworks; Luís Tarroso Gomes, advogado e fundador da Cooperativa Cultural Velha-a-Branca; Pedro Norton de Matos, diretor do Greenfest e Tiago Miranda, diretor-executivo do IB-S. Do dstgroup, a nossa casa, Raul Junqueiro, Head of Smart Cities and Business Development. A conversa decorrerá no dia 3 de outubro, quarta-feira, às 19h00, na Avenida Central, no centro de Braga.

O último dia do Simpósio traz-nos o número 66 da Umbigo, verdadeiro objeto de culto, como se intitulam, numa apresentação sobre a revista que, 16 anos depois, é uma referência editorial no mundo da arte. Dia 13 de outubro, sábado, às 16h00 no local de trabalho dos artistas do Simpósio (Avenida Central, em Braga). O melhor está por vir: duas das peças poderão ser visitadas no complexo da sede do dstgroup e as outras duas serão implementadas no centro da cidade. A visita inaugural será igualmente dia 13, mas às 17h00.

Nota: A zet gallery manterá o horário de funcionamento: de segunda-feira a sábado das 14h00 às 19h00.

 

 

 

 

 

Por Catarina Martins

Head of Communication da zet gallery 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *