Primeira vez… num cruzeiro

Se está indeciso(a) sobre fazer um cruzeiro, será apenas até à conclusão da leitura deste artigo, pois vamos falar das facilidades, vantagens e – principalmente – das alegrias de umas férias em alto mar!

Todos quantos já experimentaram um cruzeiro são unânimes: “É um sonho!” Mas este artigo não é para eles, é para si que está prestes a decidir fazer um cruzeiro pela primeira vez na vida.

Uma viagem em cruzeiros merece uma avaliação e pesquisa antecipadas e é mais a escolha de um navio do que de um roteiro. No entanto, a variedade de itinerários e as diversões a bordo também vão, seguramente, entusiasmá-lo(a). A única coisa que não garantimos é que depois deste artigo não corra a arrumar as malas!

Principais razões para fazer um cruzeiro

  •  Relação qualidade/preço

Os preços dos cruzeiros são cada vez mais baixos e por isso é possível viajar num excelente navio hotel com tudo incluído, por um valor relativamente baixo se comparado com o preço de outro tipo de viagem. Além disso, com as promoções das agências de viagens, fazer um cruzeiro pelo Mediterrâneo durante 7 noites, por exemplo, pode ficar mais barato do que um hotel no Algarve!

 

  • Itinerários diversos

De cruzeiro é possível viajar para vários destinos e conhecer diversas cidades sem ter de fazer e desfazer a mala várias vezes. Claro que cada itinerário tem as suas condições e preços próprios, mas se começar a sua pesquisa com antecedência encontrará rapidamente o que procura por um valor em conta.

 

  • Atividades e entretenimento garantido

Um cruzeiro não é apenas um navio com qualidade e regalias idênticas às de um hotel de 5 estrelas. Um cruzeiro pode ter vários serviços e atividades a toda a hora e por isso é conhecido por permitir um nível de socialização e divertimento bastante alto. Ele é piscinas, jacuzzi, bares e restaurantes, casinos, salas de cinema e teatro, lojas, ginásios e spas, espaços para relaxar, excursões…

 

  • Refeições para todos os gostos

Uma das melhores coisas num cruzeiro é a seleção extensa de pratos, incluindo fantásticos buffets, mas, se preferir, há também a possibilidade em alguns navios de fazer as refeições em restaurantes especializados, pagando à parte.

 

  • Famílias incluídas

Os cruzeiros são para todos: do bebé ao avozinho. Se procura umas férias que sejam perfeitas tanto para os miúdos pequenos como para adolescentes e que tenha também programas para adultos e seniores, o cruzeiro é a escolha certa porque disponibiliza atividades para todas as faixas etárias!

 

  • Navios para todos os gostos

O navio de cruzeiro ideal pode ser, para muitos, um mega navio recheado de atividades como paredes de escalada e teatro ao ar livre, enquanto para outros pode ser um navio mais intimista com ambiente calmo e relaxante. Felizmente todos estes tipos de cruzeiro existem. Basta escolher o que mais lhe agrada!

 

Como escolher um cruzeiro

 

  • Duração da viagem

Existem cruzeiros que duram um fim de semana e existem viagens que quase dão a volta ao mundo e podem demorar meses, mas o tempo médio de um cruzeiro padrão é de uma semana a 15 dias.

 

  • Itinerário

Há opções para todos os gostos. Praticamente chega a qualquer canto do mundo de navio, quer queira navegar de ilha em ilha pelo Caribe, observar as baleias no Alasca, visitar pontos turísticos da Europa, conhecer a América do Sul ou tomar banho nas águas quentes do Oceano Pacífico. Mas, os cruzeiros mais populares para quem se inicia neste tipo de viagens são pelo Mediterrâneo e Ilhas Gregas.

Créditos: Nuno Ribeiro
  • Melhor época para viajar

A melhor altura para fazer um cruzeiro depende do seu gosto pessoal, disponibilidade financeira e temporal. No entanto, convém que avalie a relação entre o destino, condições climatéricas e preço. São comumente aceites as seguintes sugestões:

 

Mediterrâneo, ilhas do Atlântico, Portugal, França, Madeira e Ilhas Canárias – Primavera e outono.

Grécia, Turquia, Itália e Espanha – Primavera.

Escandinávia e Báltico – Final de maio até início de setembro.

Grã-Bretanha e Irlanda – Final do verão e início do outono.

Alasca – Final de junho a meados de julho.

Canadá e Nova Inglaterra – Junho a início de setembro.

Caraíbas – Janeiro, maio e setembro.

Havai – Abril a outubro.

Riviera Mexicana – Setembro a janeiro.

Europa do norte – Maio a agosto.

Canal do Panamá – Abril, setembro e início de janeiro.

América do Sul – Entre dezembro e janeiro.

Austrália e Nova Zelândia – De novembro a meados de março.

 

  • Porto de embarque

Se mora numa cidade com porto de embarque, será mais vantajoso selecionar um navio que passe por lá para evitar a necessidade de adquirir passagens aéreas e deslocação para outros portos. Se isso não for possível, aconselhe-se junto da sua agência de viagens.

 

  • Companhia de cruzeiros

Selecione a companhia de cruzeiros que melhor responde à sua personalidade, principalmente se for a sua primeira vez. Atualmente existem excelentes companhias a atuar nos itinerários mais populares e a preços muito competitivos. Royal Caribbean, MSC Cruzeiros, Costa Cruzeiros ou Pullmantur são companhias que encaixam neste perfil. Há ainda navios vocacionadas para um determinado tipo de público-alvo, por exemplo para seniores ou crianças. A Disney Cruise Line, embora mais cara, tem como público preferido as crianças e jovens, mas com muito entretenimento também para os adultos. Leia esta guia completo do Blog dos Cruzeiros.

 

  • Navio

Escolhida a companhia, e na posse da lista de navios, deverá avaliar os seguintes aspetos:

Tamanho. Há navios que parecem cidades flutuantes e outros que oferecem um ambiente mais íntimo. Antes de reservar a viagem, decida que tipo de experiência prefere e leve em linha de conta que o tamanho do navio pode decidir o seu itinerário: navios mais pequenos podem atracar em portos mais pequenos, oferecendo uma experiência mais personalizada, mas têm a desvantagem de estarem limitados nas opções de entretenimento e de restauração. Navios maiores são autênticos hotéis de luxo, mas mais impessoais.

Cabines. Apesar de não ser comum o enjoo em navios de grande porte, convém ter em conta que as cabines centrais são as melhores porque a sensação de balanço é menor. De qualquer modo, a escolha da cabine está diretamente ligada ao valor que pretende gastar: existem cabines internas, cabines externas sem varanda, cabines externas e suites com varanda, sendo que a diferença entre uma cabine interna e uma cabine externa
é que a última possui uma janela (que não abre) ou uma escotilha que permite observar o mar. Se puder, claro, escolha uma cabine com varanda, pois um dos principais atrativos da viagem é observar o mar. Consulte todos os tipos de camarote neste guia.

Infraestruturas. Leve em consideração não apenas o número de bares, restaurantes, piscinas, ginásios, casinos, etc, mas também se são suficientes para a quantidade de passageiros a bordo.

Categoria. Os navios são ainda classificados por categorias, designadas por estrelas (1 a 5) relativas à qualidade da gastronomia oferecida, dos serviços e atendimento.

Serviço all inclusive. Grande parte dos navios oferecem um serviço all inclusive, com refeições e bebidas (alcoólicas ou não) incluídas, mas lembre-se que o valor do cruzeiro muitas vezes é proporcional ao que lhe é servido. Um navio mais dispendioso garante-lhe um serviço à la carte com cardápios variadíssimos enquanto outro mais em conta vai apostar em pratos mais simples e fast food.

Serviços extra. Há navios que cobram à parte serviços como cabeleireiro e Spa, aulas de ioga, culinária, etc. Não pense que tudo está incluído no pacote.

 

 

 

 

Por Nuno Ribeiro, Editor e fundador do Blog dos Cruzeiros desde 2010 onde partilha as suas viagens e experiências a bordo de navios de cruzeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *