Teatro Nacional D. Maria II acolhe dois espetáculos do 35º Festival de Almada

“A reunificação das duas Coreias “ e “Actriz” são os dois espetáculos que integram a programação da 35.ª edição do Festival de Almada e que estarão em cena no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, a 7 e 8 de julho e a 15 e 16 de julho, respetivamente.

A Sala Garrettt acolhe, dia 7 de julho às 21 horas e dia 8 de julho às 16 horas, “A reunificação das duas Coreias”, que esteve em cena em Almada, em 2014, numa encenação do próprio autor. Quatro anos depois, a companhia croata Gavella Drama Theatre resolveu lançar um novo olhar sobre um texto que Joël Pommerat apresentou, na altura, como sendo “o mais pessoal” que escrevera, e através do qual problematizava as relações entre os dois sexos e as diferentes dimensões da vida amorosa e familiar. Com a cumplicidade do encenador italiano Paolo Magelli (o assistente de Giorgio Strehler que apresentou em 2015, no Festival de Almada, o espetáculo Hotel Belvedere), a companhia croata percorre a totalidade do espetro sentimental, descobrindo num extremo a solidão absoluta e, no outro, a paixão desenfreada. O espetáculo inclui momentos de música ao vivo, interpretados pelos próprios atores. O espetáculo é falado em croata, com legendagem em português.

“Actriz”
Créditos: Jean Louis Fernandez

“Actriz” é o segundo espetáculo que estará em cena também na Sala Garrett, no dia 15 de julho às 16 horas e dia 16 de julho às 19 horas. Numa cama de hospital, uma grande atriz espera a visita da morte. O quarto parece não poder comportar nem mais um ramo de flores e, à sua volta, estão os familiares, os amigos e os companheiros de profissão que fazem questão de ficar até ao fim. Pascal Rambert, um dos autores franceses mais representados em todo o mundo, autor de obras-primas como Le début de l’A. e Clôture de l’Amour, escreveu esta peça em 2015, para os atores do Teatro de Arte de Moscovo. Nesta edição do Festival de Almada, apresenta-nos a versão francesa, que estreou em Paris em dezembro de 2017, com atores e atrizes que foi buscar aos quatro cantos do mundo. Actriz é o primeiro espetáculo escrito e encenado por Pascal Rambert a chegar a Portugal. Uma peça sobre as últimas horas de Eugenia. Uma reflexão sobre a arte, a existência e as contradições que atravessam as relações humanas. Espetáculo falado em francês, com legendagem em português. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *