Elvas

Seja muito bem-vindo a Elvas, a Rainha da Fronteira. Por aqui mistura-se o encanto do Alentejo com a robustez das construções militares. Na maior cidade fortificada da Europa, baixe as suas defesas e encontre dias sem preocupação. Se até a UNESCO se deixou conquistar, caminhe por Elvas ao seu próprio ritmo. Basta seguir as dicas deste Roteiro Onde Ir. Ó Elvas, ó Elvas, descanso à vista!

Por Wilson Ledo

ONDE DORMIR

Vila Galé Collection Elvas

Foi a inauguração desta unidade hoteleira que nos levou a este concelho raiano. Porquê? O Vila Galé Elvas é o primeiro hotel a abrir portas no âmbito do programa Revive, que coloca agentes privados a recuperar património público. Há muito que o antigo Convento de São Paulo pedia uma nova vida. Muitas obras e nove milhões de euros depois, aí está ela.

Convento, tribunal militar, quartel e casa de reclusão. Ao longo dos anos, o edifício serviu diferentes propósitos. Desde 2004 que estava desocupado e em avançado estado de degradação. É por isso uma surpresa muito agradável percorrer os corredores deste hotel e perceber o antes e o depois, as camadas de história.

Cada um dos quartos é dedicado a uma fortificação militar portuguesa. Apesar do conforto dentro de portas, há todo um hotel para descobrir: restaurante, bar, spa, jacuzzi e alguma arte exposta, que resulta das parcerias feitas com o Museu Militar ou o Museu de Arte Contemporânea de Elvas. 

Mas para nós, nestes dias de verão e calor, o Vila Galé Collection Elvas tem um outro argumento de peso: a piscina exterior. É um verdadeiro oásis, que nos faz desejar regressar mais cedo ao hotel e ficar a aproveitar a “dolce vita”. Ou, como se diz por estas paragens, umas boas horas de “lazeira”.

SL – Hotel de Santa Luzia

Aqui funcionou a primeira Pousada de Portugal, inaugurada em 1942. O agora Hotel de Santa Luzia guarda, desses tempos, os traços arquitetónicos e a vontade de bem receber. Mesmo que não fique alojado nesta unidade, há um bom motivo para visitá-la. Foi neste local que nasceu a receita do Bacalhau Dourado, uma das referências gastronómicas da região. Reza a lenda que Jacinta do Carmo Bucho foi surpreendida por uma reunião dos governos espanhol e português. Foi preciso pôr mãos à obra com os ingredientes que havia. E o resultado é algo que não pode deixar de provar.

Hotel Rural Monte da Provença

Esta é uma sugestão para os que querem aproveitar os ares do campo, mas já fora do centro de Elvas. A arquitetura tipicamente alentejanaalia-se ao mais moderno conforto. Ideal para uma escapadinha romântica, com direito a piscina e atividades ligadas à natureza.

ONDE COMER

Adega Regional

Quando pedimos uma sugestão de restaurante em Elvas, é muito recorrente ouvir-se “Adega Regional”. A rigidez da pedra que envolve o restaurante contrasta (e muito) com a simpatia do serviço. Na carta, também não há muita margem para dúvidas: aqui serve-se o melhor e o mais típico da gastronomia alentejana, a preços acessíveis. As doses são tão generosas que, no nosso caso, acabámos a pedir uma “caixinha” para o jantar. É que comida tão boa não se pode mesmo desperdiçar.

Acontece

Ao entrar, percebemos que a fama do Acontece já chega ao outro lado da fronteira, pelo número de espanhóis sentados à mesa. A decoração contemporânea funciona como um chamariz dos mais curiosos – o que foi o nosso caso. O preço não é, necessariamente, o mais acessível e desengane-se quem aqui entra à procura de comida alentejana. O Acontece figura aqui por isso: pela diferença face à maioria da oferta. Em dias mais movimentados, o atendimento pode ser um pouco lento. Vá apenas se tiver tempo para apreciar a refeição e o convívio que dela pode resultar.

El Cristo

Qual é a probabilidade de encontrar marisco de qualidade no interior do país? O El Cristo é a prova de que tudo é possível, desde que haja sentido de oportunidade. Contaram-nos que este restaurante provoca autênticas romarias não só entre os alentejanos mas também do outro lado da fronteira. Várias décadas de porta aberta devem querer dizer alguma coisa, não é verdade? 

Mercado Municipal Casa das Barcas

Porque está um mercado na lista de sítios onde comer? Talvez porque, mesmo não podendo comer de garfo e faca, haja muito para saborear neste mercado municipal de Elvas. Para ir petiscando ou levar para casa e preparar um autêntico repasto, há pão, bolos, biscoitos, fruta fresca, queijos, enchidos e mel da região para fazer esquecer a dieta.

O QUE FAZER

MACE – Museu de Arte Contemporânea de Elvas

O antigo Hospital da Misericórdia de Elvas guarda uma das mais ricas coleções de arte contemporânea de Portugal. Nas obras que António Cachola foi adquirindo ao longo das últimas décadas contam-se os mais prestigiados artistas portugueses e vários nomes das novas gerações, a que é preciso estar atento. Até ao final de 2019, este museu acolhe a exposição “A Guerra Como Modo de Ver”. É certamente uma outra forma de olhar para Elvas: como um polo cultural. 

Forte de Nossa Senhora da Graça

Se tivéssemos asas, poderíamos apreciar esta construção militar de uma forma ainda mais completa. O Forte de Nossa Senhora da Graça, também conhecido como Forte Conde de Lippe, foi inaugurado em 1792 e é um dos cartões postais de Elvas. Fica a cerca de um quilómetro do centro da cidade, no topo de um monte, o que obriga a lá chegar de carro. Se tiver margem e apreciar este tipo de construções, passe também pelo Forte de Santa Luzia e ainda pelo Museu Militar de Elvas, para ficar a conhecer todas as histórias ao pormenor.

Capela de Nossa Senhora da Conceição

Esta pequena capela foi construída no século XVII como um símbolo da proteção divina para as muralhas. A nossa sugestão é que a torne o seu ponto de partida para um passeio numa das partes altas da cidade. Junto aos telhados dos Quartéis dos Artilheiros terá uma das melhores vistas de Elvas (já com direito a Badajoz à vista, como na canção).

Aqueduto da Amoreira

Se a beleza da Torre de Belém, em Lisboa, mexe consigo, então em Elvas pode ficar a conhecer outros dois projetos do mesmo autor. O arquiteto Francisco de Arruda assina também a antiga Sé de Elvas (agora Igreja de Nossa Senhora da Assunção, na Praça da República, passe por lá!) e o Aqueduto da Amoreira. Este último é o que poderíamos chamar de cicerone da cidade: é quem recebe e se despede dos visitantes. Este aqueduto, com 843 arcos, levou mais de 20 anos a ficar concluído.

Rua das Beatas

Quando lhe falam de Alentejo, que imagem lhe vem à cabeça? Casas caiadas com faixas amarelas? Vasos com flores? Pois é, nesta rua de Elvas o “cliché” torna-se realidade. A rua empedrada – e propícia a fotografias – conduz depois ao Castelo de Elvas e a outra das vistas de cortar a respiração. E, novamente, Badajoz no horizonte.

Badajoz

Longe vão os tempos em que se cruzava a fronteira para ir a Badajoz, entre outras coisas, comprar caramelos. Escrever um roteiro sobre Elvas sem deixar esta sugestão seria deixá-lo incompleto. A menos de meia hora de carro uma da outra, as duas cidades complementam-se. São um bom exemplo de como dois territórios de países diferentes podem estar em diálogo. Se estiver apertado de tempo, dedique uma manhã ou uma tarde a conhecer esta vizinha espanhola: a Alcáçova de Badajoz, por exemplo, é um dos atrativos essenciais. Mas isso fica para outro roteiro, não lhe parece?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.