Mudança de Ciclo: Um novo caminho para o Turismo através do talento

Portugal e Espanha voltaram a superar em 2018 o recorde de turistas estrangeiros mas o relançamento de destinos como a Turquia, a Tunísia ou o Egito, podem colocar em causa esta liderança ibérica.

Por Carlos Díez de la Lastra, diretor geral de Les Roches*

É importante destacar que os viajantes que visitam esta região, estão a gastar cada vez mais e a cultura consolida-se como motor e foco de atração internacional. O segmento dos hotéis de luxo reforça-se com novos projetos e há uma nova geração preparada para liderara e assumir a mudança.

De forma continuada tenho a oportunidade de partilhar com experts e diretores de hotéis a visão sobre o nosso futuro como indústria e se há algo em que todos concordam é a necessidade de apostar no talento como elemento de eficácia e diferenciação face a opções mais económicas que chegam de outros mercados.

Há inúmeros fatores positivos de relevância para o sucesso do turismo em Espanha e Portugal, mas falta uma política com foco nas alterações a implementar ao nível da formação. Estamos todos focados na captação de turistas com alto poder de aquisição, mas às vezes esquecemos completamente o serviço, nos hotéis e restaurantes, o quão importante é fidelizar os clientes e mais importante torna-los uma espécie de embaixadores nos seus países de origem.

A Qualidade do Capital Humano

Um relatório recente do Conselho Geral de Economistas de Espanha, defendia que a qualidade do capital humano é a primeira perceção do turista, uma realidade que defendemos sempre na Les Roches e que faz parte do ADN do nosso método de ensino.

De nada serve se somos reconhecidos pela gastronomia ou estruturas hoteleiras se não conseguimos que esta qualidade se traduza também na atenção ao cliente.

Este é o verdadeiro conceito de Hospitality: algo que os suíços conseguiram vislumbrar nos finais de 1800, quando a noção de turismo começou a estender-se por toda a Europa. Os alunos de Jacques Tschumi aprendiam matemática, geografia e línguas, mas também toda a aprendizagem necessária para trabalhar num estabelecimento hoteleiro. Os suíços aportam muito ao universo da Direção e Gestão Hoteleira, incluindo rigor, precisão, atenção ao detalhe e serviço vs discrição. Um legado que hoje devemos recuperar e integrar no perfil dos candidatos e colaboradores do setor turístico atual se querem ser realmente competitivos.

À medida que o movimento mundial de turistas cresce, incrementam-se os desafios que enfrentamos. Diretores de hotéis, políticos, empregados, docentes …. toda a cadeia de valor do turismo deve realizar uma reflexão e analisar o papel que queremos ter no mapa turístico global. Os clientes mudaram e as fórmulas tradicionais que antes eram sinónimo de êxito deixaram de fazer sentido. A mudança obriga-nos a ser mais ágeis, mais flexíveis, mais intuitivos, mais digitais e isto só é possível se apostarmos em construir um universo de profissionais com talento, capazes de elevar a marca de um destino a todos os níveis.

A equipa, a base

A transformação da equipa é essencial para impulsionar as empresas hoteleiras e liderar as novas formas de fazer turismo. É o que observamos diariamente nos campus da Les Roches. Os nossos alunos lideram algumas das principais marcas do setor da hotelaria, turismo e serviços.

Cada ano cerca de 100 empresas, as melhores do mundo, deslocam-se aos nossos campus para recrutar estudantes, os mesmos que recebem cinco ofertas em média de emprego mesmo sem terem terminado a sua formação. Esta procura cresce a cada ano que passa, o que significa que as empresas necessitam cada vez mais de colaboradores qualificados, competitivos e capazes de fazer evoluir o conceito tradicional do turismo e aportar uma visão transformadora conservando a cultura de serviço e o respeito pelo cliente.

É inegável que o turismo é e será um dos pilares fundamentais da economia mundial. A contribuição direta deste setor para o PIB continuará a crescer.na próxima década e estima-se que em 2028 sustente 414 milhões de postos de trabalho o que representa um em cada nove empregos do planeta.

Está nas nossas mãos sermos suficientemente hábeis para gerar uma indústria potente que dirija o desenvolvimento do talento, apoiando-nos nos protagonistas do salto geracional, que serão os responsáveis pelas marcas turísticas de um país. Este é o momento de apostar na mudança de ciclo que inclua a educação como fator determinante do nosso progresso e crescimento como destino.

* Les Roches é um dos institutos de hotelaria que obteve as melhores avaliações do mundo

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.